Buscar
  • Alencar Oliveira

Team Building na formação de equipes



O Team Building chega para acabar com o tabu de “treinos chatos” e ineficientes. Ele atua de forma interessante, ensinando novas habilidades, abrindo a cabeça das pessoas, alinhando assim os conceitos aplicados em programas de integração e desenvolvimento. A probabilidade de sucesso destas iniciativas esta cada vez mais na aplicabilidade na prática. Outro ponto importante é que esta ferramenta não envolve hierarquia, ou seja, todos devem participar das atividades, enfim, a ideia é realmente que envolver todas as lideranças no processo.


Quando se busca definições próprias do team building percebe-se que ele não tem um conceito universal e, muito menos, uma receita padrão. O que se vê, são conjuto de atividades lúdicas, pedagógicas e desafiadoras, das mais simples a mais complexas, geralmente realizadas em ambiente fora do trabalho, que tenha a possibilidade de incrementar, inovar e tornar o processo de treinamento e/ou aprendizado ainda mais criativo, convidativo e proveitoso.


O Team Building é um tipo de treinamento, mas em vez de propor o aperfeiçoamento do conhecimento técnico dos funcionários, ele é focado em aprofundar as relações, afinal, o trabalho em equipe agrega muito valor a cultura de uma organização.


Ele incentiva a prática de atividades dinâmicas fora da empresa, normalmente ao ar livre, como o arvorismo, a escalada, ou esportes que envolvam desafios, com o propósito de engajar e divertir os participantes.


Nesse processo existe um alinhamento de competências conforme a diversidade e necessidades do grupo e aos objetivos da empresa. Ele busca criar um ambiente com energia, fortalecendo-o e incentivando à busca de diferentes soluções para problemas que possam vir a surgir no ambiente de trabalho.


De forma participativa e coletiva, o team building propõe práticas especializadas, de forma a se construir e desenvolver as equipes, com foco no papel individual dos participantes, quanto suas habilidades profissionais e competências pessoais são trabalhadas diversas emoções, num aspecto instrutivo e profissional.


Movimentos como estes podem até parecer pouco impactantes, porém realmente possuem uma enorme capacidade de transformação do cenário de relacionamentos de uma equipe.


Proporciona:


1. compartilhar experiências ou trabalhar por um mesmo objetivo que permitem que o engajamento entre os funcionários aconteça de uma maneira mais orgânica e eficiente, através da criação de laços e a troca de informações entre si.

2. oportunidades que visam a melhora do autoconhecimento, que é essencial para o progresso individual.

3. promovam a união da equipe e das áreas de uma empresa para fortalecer cada vez mais o sentimento de pertencer a um grupo.


Tudo isso também coopera para o bem-estar da equipe, que no final das contas deveria ser a primeira a estar satisfeita com a empresa, visto que ao se admirar pelo trabalho e sentir que faz a diferença, o grupo se motiva a alcançar resultados e colabora para bater metas.


O processo de treinamento é responsável pela garantia de vantagem competitiva da organização, que promove a capacitação e motivação de sua equipe e são diretamente responsáveis pelo posicionamento estratégico e competitivo da organização.


Embora, para que haja os resultados esperados, é preciso sair da rotina, pois fora do ambiente normal de trabalho, as pessoas se descontraem e mostram certos aspectos ocultos de sua personalidade, tanto positivos quanto negativos, que às vezes ficam encobertos pela postura que elas acreditam que devem manter profissionalmente. E é assim que se aplica a gestão por Team Building, buscando maneiras de proporcionar autoconhecimento, conhecimento profundo das atitudes dos colegas e empatia, que são essenciais para gerar mudança e transformação.

14 visualizações0 comentário